Espécie de características muito elegantes , não tolera luz direta, muita água, ventos frios e geada.

  • Pode ser plantada em vasos pequenos e replantadas a cada 2 anos. 
  • Ao dividir a planta, deixar cada parte com três bulbos no mínimo. 
  • Pode-se adubar com adubo próprio para orquídeas de acordo com as instruções do fabricante. 
  • Rege a cada 15 dias. A poda é feita sempre que as flores murcharem, cortando a haste e deixando apenas 20 cm. 
  • Nunca deixe flores e folhas danificadas ou velhas dentro do vaso.


 


 DICAS DE JARDINAGEM - ORQUÍDEAS - Pragas & Doenças 

Para garantir plantas saudáveis e bonitas, existem três regras básicas:

  • Higiene e limpeza no ambiente de cultivo;
  • Estado sanitário das plantas,
  • Condições ambientais favoráveis à planta e não às pragas e doenças.

Essas três regras permitem a prevenção no mais possível o ataque de pragas e doenças que, uma vez instaladas, são difíceis e demoradas de controlar. O ambiente onde se cultivam as plantas, além do fato do cultivo ter melhor aparência, evita a instalação de pragas, visto que folhas mortas e secas, raízes velhas cortadas, poeira acumulada, detritos, vegetação rasteira nos vasos, são , seguramente meios propícios ao desenvolvimento de micro-organismos nocivos.

A boa saúde da planta é outro fator de impedimento à instalação e proliferação de pragas e doenças. Uma planta tem seus mecanismos de defesa, e, estando forte e saudável, resiste melhor às pragas e repele e vence as infecções. Dito isto, é essencial uma adubação adequada, capaz de suprir as necessidades básicas da planta. O excesso, escassez, ou insuficiência são igualmente nocivos.

A limpeza da planta é também importante à sua saúde. Folhas e bulbos sujos de pó ou outros detritos, dificultam a fotossíntese, além de retardar e mesmo impedir a absorção de carbono e oxigênio. Remova as bainhas dos bulbos, espatas e hastes florais secos ou apodrecidos, assim como bulbos e folhas afetados por pragas ou doenças, secos ou mortos. Ambiente confinado, poluído, ou com ar estagnado oferece condições propícias à disseminação de fungos, ácaros e bactérias, que acabam por infectar as plantas. Outros males que afetam as orquídeas são:

  • as infecções por viroses, bacterianas e fungos e ácaros.
  • as pragas, tais como, insetos e outros animais que se alimentam do tecido da planta. São eles:
  • os que se aninham na planta ou no substrato em que é cultivada (cochonilas, afídios, oídios, mildios, lavras, lesmas, piolhos, caracóis, tatusinhos, besourinho vermelho, nematóide, etc.
  • os voadores que causam mal indireto ao por seus ovos dentro do bulbo, dentro do qual as lavras se desenvolvem alimentando-se dos tecidos internos (tentecoris e a Mordistella). As viroses são incuráveis, devendo a planta ser incinerada.

 

As pragas são combatidas com inseticidas e acaricidas: Makathion, Tamarone e Diazinon. Lagartas, grilos e gafanhotos combater com Orthene. Não exceder a mais que 4 aplicações/ano.

As infecções fungicas (manchas negras ou pardas, afundamento das folhas) se combatem com fungicidas (não cúpricos, ou com pouco teor de cobre - Cerconyl, Benlate, Dithane). As infecções mais graves são a podridão negra, que é mortal. 

Deve-se cortar as partes afetadas, aplicando uma pasta fungicida no tecido ainda sadio; podridão parda da coroa (nas monopodiais) sobretudo quando a bainha do bulbo novo permite a acumulação de água, como que formando um cálice. Botritys, que se forma danificando flores e folhas por excesso de umidade, e tempo frio ou chuvoso.