Há espécies de hortaliças cujas sementes são postas na terra dos canteiros e aí nascem e crescem.

Outras devem ser semeadas e depois de nascidas transplantadas para o canteiro definitivo, onde então ficam vegetando até a colheita. 


Quando utilizada adequadamente, a rotação de cultura resulta em benefícios tanto na produção quanto na manutenção das fertilidade do solo, diminuindo os problemas com pragas, doenças e plantas daninhas.


MANEJO 

Tratos Culturais:

Para transplantar hortaliças que foram semeadas em sementeiras, dê preferência a um fim de tarde ou a um dia nublado e proceda da seguinte forma:

Molhe bem a sementeira;

- Abra as covas no canteiro definitivo, observando o espaçamento para cada planta.

-Escolha as plantas mais viçosas retirando-as com um pouco do torrão junto à raiz.

-Coloque as mudinhas nas covas, juntando terra e apertando um pouco em volta e regue com cuidado. 

IRRIGAÇÃO


A água é essencial para o desenvolvimento das plantas, principalmente das que possuem crescimento rápido e grande quantidade de massa verde. O número de irrigações e a quantidade de água a ser aplicada vão depender das condições do solo, clima, espécie de hortaliças e desenvolvimento das plantas. De um modo geral, a quantidade de água a aplicar por vez, deve ser o suficiente para molhar a terra até a profundidade de 20 a 25 cm, onde se concentram a maioria das raízes. O excesso favorece a erosão e a lixiviação dos nutrientes. A falta prejudica o crescimento e a qualidade dos produtos podendo acelerar o processo de maturação.


ROTAÇÃO DE CULTURA

As plantas soltam pelas raízes certas substâncias que são características de sua espécie. É o chamado efeito "alelopático" (ação de uma espécie sobre o desenvolvimento da outra). Uma grande área com plantas da mesma espécie, pode facilitar o surgimento e rápido desenvolvimento de pragas e doenças, e até mesmo depauperar o solo, visto que há uma concorrência pelos mesmos nutrientes. O plantio consorciado de duas ou mais espécies reduz esse risco. Essa modalidade de plantio, no entanto, não deve ser feita sem que se saiba os efeitos dessa consorciação.


Com relação às hortaliças, além da rotação de culturas, que garante alimentos saudáveis sem o desgaste do solo, é importante planejar o plantio das folhas, para que toda a produção não fique pronta para a colheita de uma só vez. Evite replantar seguidamente no mesmo canteiro o mesmo tipo de hortaliça. O ideal é alternar o cultivo seguindo o esquema: RAIZ - FOLHA- FRUTO. Por exemplo, se você plantou cenoura (raiz) num canteiro, da proxima vez, plante agrião (folha) e após colher o agrião, plante tomate (fruto). Depois plante novamente outra raiz. Resumindo:


Não utilizar seguidamente espécies pertencentes à mesma família botânica, pois são geralmente atacadas pelas mesmas pragas e doenças.

Utilizar espécies mais exigentes em elementos minerais, e, em seguida, explorar a mesma área com outras menos exigentes para aproveitamento das sobras de adubos não utilizados pelas primeiras.

Para explorar melhor as potencialidades do solo, alternar culturas com sistema radicular profundo e pouco profundo.

Utilizar culturas que fornecem material orgânico alternados com outras que favorecem sua recomposição.

A seguir, veja as principais hortaliças da mesma família que não devem ser cultivadas sucessivamente no mesmo local.


Solanáceas - batata, berinjela, jiló, pimenta e tomate.

Cucurbitáceas - abóbora, abóbora-italiana, abóbora-japonesa, chuchu, maxixe, moranga, melão, pepino.

Crucíferas - agrião, couve-brócolo, couve-de-bruxelas, couve-chinesa, couve-flor, couve-manteiga, mostarda, nabo, repolho e rúcula.

Liliáceas- alho, alho-poró, aspargo, cebola e cebolinha. 


Para saber se você está no caminho certo, observe sempre a horta. Se começar a desaparecer os capins, que indicam solo fraco , e começam a aparecer espécies espontâneas de folha larga (que indicam solo bom), tudo está correndo perfeitamente bem!



IRRIGAÇÃO


A água é essencial para o desenvolvimento das plantas, principalmente das que possuem crescimento rápido e grande quantidade de massa verde. O número de irrigações e a quantidade de água a ser aplicada vão depender das condições do solo, clima, espécie de hortaliças e desenvolvimento das plantas. De um modo geral, a quantidade de água a aplicar por vez, deve ser o suficiente para molhar a terra até a profundidade de 20 a 25 cm, onde se concentram a maioria das raízes. O excesso favorece a erosão e a lixiviação dos nutrientes. A falta prejudica o crescimento e a qualidade dos produtos podendo acelerar o processo de maturação.


ROTAÇÃO DE CULTURA


As plantas soltam pelas raízes certas substâncias que são características de sua espécie. É o chamado efeito "alelopático" (ação de uma espécie sobre o desenvolvimento da outra). Uma grande área com plantas da mesma espécie, pode facilitar o surgimento e rápido desenvolvimento de pragas e doenças, e até mesmo depauperar o solo, visto que há uma concorrência pelos mesmos nutrientes. O plantio consorciado de duas ou mais espécies reduz esse risco. Essa modalidade de plantio, no entanto, não deve ser feita sem que se saiba os efeitos dessa consorciação.


Com relação às hortaliças, além da rotação de culturas, que garante alimentos saudáveis sem o desgaste do solo, é importante planejar o plantio das folhas, para que toda a produção não fique pronta para a colheita de uma só vez. Evite replantar seguidamente no mesmo canteiro o mesmo tipo de hortaliça. O ideal é alternar o cultivo seguindo o esquema: RAIZ - FOLHA- FRUTO. Por exemplo, se você plantou cenoura (raiz) num canteiro, da proxima vez, plante agrião (folha) e após colher o agrião, plante tomate (fruto). Depois plante novamente outra raiz. Resumindo:


Não utilizar seguidamente espécies pertencentes à mesma família botânica, pois são geralmente atacadas pelas mesmas pragas e doenças.

Utilizar espécies mais exigentes em elementos minerais, e, em seguida, explorar a mesma área com outras menos exigentes para aproveitamento das sobras de adubos não utilizados pelas primeiras.

Para explorar melhor as potencialidades do solo, alternar culturas com sistema radicular profundo e pouco profundo.

Utilizar culturas que fornecem material orgânico alternados com outras que favorecem sua recomposição.

A seguir, veja as principais hortaliças da mesma família que não devem ser cultivadas sucessivamente no mesmo local.


Solanáceas - batata, berinjela, jiló, pimenta e tomate.

Cucurbitáceas - abóbora, abóbora-italiana, abóbora-japonesa, chuchu, maxixe, moranga, melão, pepino.

Crucíferas - agrião, couve-brócolo, couve-de-bruxelas, couve-chinesa, couve-flor, couve-manteiga, mostarda, nabo, repolho e rúcula.

Liliáceas- alho, alho-poró, aspargo, cebola e cebolinha. 


Para saber se você está no caminho certo, observe sempre a horta. Se começar a desaparecer os capins, que indicam solo fraco , e começam a aparecer espécies espontâneas de folha larga (que indicam solo bom), tudo está correndo perfeitamente bem!


TUTORAMENTO

Algumas plantas precisam encontrar, para se desenvolverem, um apoio no qual possam subir. Em geral são as vagens, feijões, tomates, etc, que precisam de um suporte. Veja algumas sugestões de tutoramento para a planta:

 

Se precisar de orientação técnica, você pode procurar a Emater de sua região para obter as informações necessárias e conseguir um projeto específico para seu sítio ou fazenda gratuitamente. Informe-se também em outros órgãos ligados à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento da sua cidade.