O mamoeiro pode alcançar 3 a 8m de altura e produzir durante dois anos, após doze meses de plantio. Em vista de sua origem tropical, requer bastante umidade e calor; não tolera solos encharcados e é extremamente sensível a geadas. 

Seus frutos, ricos em vitamina A e C, são consumidos in natura ou processados em pedaços cristalizados, suco, gelatina, purê e fatias desidratadas.

 A papaína, enzima proteolítica com alto valor medicinal e industrial, é encontrada no látex das folhas e frutos do mamoeiro.



PLANTIO DO POMAR:

  • Efetuar no início das chuvas (outubro) em dias nublados; 
  • retirar o envoltório plástico evitando-se a quebra do torrão que deve ficar 5cm acima do nível do solo. Após o plantio, 
  • proceder ao embaciamento para irrigação da muda. 
  • Espaçamento: 3 x 2m, 3 x 3m ou 4,0 x 2,5m.




 

 POMAR DOMÉSTICO - O Preparo do Solo

O local escolhido para implementação do pomar deve ser preparado cuidadosamente através de arações e gradagens, de modo a deixá-lo revolvidos e destorroado. É feita uma aração profunda e duas gradeações cruzadas. No entanto, antes mesmo de fazer o preparo do solo, é necessário fazer uma análise do solo, e, com base nessa análise, seja calculada a quantidade de corretivos e fertilizantes que deverá ser usados. 

A adubação constitui um excelente fator que pode e deve ser usado pelo agricultor para ter, sempre, as suas terras em condições desejáveis de fertilidade. Veja alguns passos importantes na preparação do solo para o plantio:

  • Fazer a aração e gradagem do solo;
  • É conveniente fazer análise do solo, e com base nessa análise, fazer a correção (fertilizantes, corretivos e/ou cal dolomítico).
  • Abrir covas de 60cm x 60cm x 60cm. Para as espécies que são plantadas a menos de 6 metros um pé do outro, pode-se reduzir essas dimensões até o mínimo de 30cm de largura por 30cm de profundidade (bananeira). No entanto, um melhor preparo do terreno consiste em se sulcar o solo seguindo as curvas de nível, nos espaçamentos indicados entre as linhas das plantas e, nesses sulcos, preparar as covas que receberão as mudas, nos intervalos indicados para cada espécie. 
  • Recomenda-se que a terra retirada da superfície da cova seja colocada de um lado e a da porção mais profunda de um outro lado. A elas são misturados fertilizantes químicos e orgânicos e então a cova é reenchida, invertendo-se as camadas: primeiro faz-se o enchimento com a terra retirada da superfície para completar, depois com a terra originária do fundo.

CALAGEM 
 
É uma etapa do preparo do solo para cultivo na qual se aplica calcário com os objetivos de elevar os teores de cálcio e magnésio, neutralização do alumínio trivalente (elemento tóxico para as plantas) e corrigir o pH do solo, para um desenvolvimento satisfatório das culturas. 

Praticamente, só os solos com pH abaixo de 5,5 e superior a 7,0 apresentam problemas relacionados com a disponibilidade de alguns nutrientes, com a toxidez de outros, com a estrutura do solo, com a vida microbiana e simplificação da matéria orgânica, fixação de nitrogênio e enxofre, etc. Os efeitos da calagem poderiam ser resumidos da seguinte maneira: 

  • FÍSICOS - Melhoria da estrutura pela granulação das partículas (estrutura, porosidade, permeabilidade, aeração);
  • QUÍMICOS - Correção da acidez; aumento da disponibilidade e assimilação do Cálcio, Magnésio, Fósforo e Molibdênio; Diminuição da solubilidade do Alumínio, Ferro e Manganês(esses elementos, além de dificultarem o aproveitamento de alguns nutrientes pela planta, ainda podem se tornar tóxicos).
  • BIOLÓGICOS - Estímulo ao desenvolvimento da vida microbiana. (fonte:wikipedia)


 A ADUBAÇÃO DO POMAR

Um pomar racionalmente cuidado, leva três tipos de adubações: química, orgânica e adubação verde. Na formação do pomar, deve-se fazer a adubação de plantio. 

Durante o período em que começa a produzir, há necessidade da aplicação de outro tipo de adubação, que é o de vegetação ou crescimento, cuja finalidade é desenvolver a parte vegetativa, aumentando a copa para que possa ter uma maior área de frutificação.

Essa adubação deve ser orgânica, por intermédio da adubação verde, plantando-se, anualmente uma leguminosa no início das chuvas, e enterrando-a após 3 a 4 merses. Sabemos que as leguminosas possuem em suas raízes nódulos que abrigam certas bactérias, que ali vivem em simbiose e retiram o nitrogênio do ar. Exemplo, citamos a soja, feijão-de-porco, etc..

 A ADUBAÇÃO DE PLANTIO


As covas deverão ser adubadas com fertilizantes em quantidades que vão variar de acordo com a espécie e com a fertilidade do solo, que deverá ser previamente analisado. Em linhas gerais, faça a adubação, por cova, da seguinte maneira:
  • Esterco de curral - 20 litros ou 
  • Esterco de galinha 5 litros ou torta de mamona 1,5 quilo mais 
  • Cal dolomítico 4500 a 1.000 gramas fosfato pouco solúvel 1000 gramas (16-18%P2O5) 
  • Cloreto de potássio 150 gramas 
  • FTE BR-9 30 gramas
Em solos que apresentaram acidez, além da calagem aplicada em área total, pode-se aplicar de 200 a 300 gramas de calcário dolomítico no fundo de cada cova ou sulco. Feita a adubação, aguardar 30 a 60 dias para iniciar o plantio. 


ADUBAÇÃO PÓS- PLANTIO

Uma vez iniciada a brotação da muda, deve-se fazer as adubações em cobertura, empregando-se um fertilizante nitrogenado, na dose de 50 a 125 gramas por pé e por vez, dependendo do porte da espécie e por vez, dependendo do porte da espécie, repetidas quatro vezes a cada 45 dias aproximadamente, enquanto houver umidade no solo.

Do segundo ano em diante, utiliza-se uma fórmula contendo 10% de nitrogênio, 10% de Fósforo e 10% de Potássio (NPK - 101010), na base de 100 a 200 gramas por centímetro de diâmetro do tronco da planta e por vez repetida a quatro a cinco vezes por ano (veja o quadro). As plantas adultas receberão no máximo 200 gramas dessa fórmula por ano, por metro quadrado de área ocupada, divididas em 4 doses, no período chuvoso do ano, na projeção da copa e em cobertura, ou seja, na superfície do solo, e levemente incorporada em seguida, através de uma capina.

A APLICAÇÃO DE ADUBOS QUÍMICOS NO POMAR

Preferir a época que procede a brotação intensa da primavera.

Preferir empregar adubos em sulcos produzidos por arados, caso seja possível, tangenciando as projeções das copas. Em terrenos planos ou pouco inclinados, devemos sulcar nos dois lados da fileira ou em caso de terreno inclinado sulca-se apenas um lado. Podemos fazer uma coroa ao redor da planta.


Os sulcos deverão ter, pelo menos, 25cm de profundidade, para evitar que os fertilizantes forcem as raízes muito para a superfície do solo, expondo-as à injúria durante os cultivos.


Os adubos químicos deverão ser misturados com a terra no fundo do sulco para não reagirem demasiadamente com o esterco, pois iria com isto expulsar grande parte do azoto existente nele. Este será colocado depois por cima e também misturado ou senão separado da parte inferior por uma pequena camada de terra. Uma vez terminado, cobre-se todo o sulco, dando-se uma formato de bacia.